Please reload

Posts Recentes

ADVERGAME e o fortalecimento da sua marca com a Jogos Aurora

August 8, 2017

1/3
Please reload

Posts Em Destaque

20 de março estreia Ponami - A Guerreira das Cordilheiras

Tem sido uma longa e intensa caminhada para a equipe da Jogos Aurora. É emocionante saber que dos 6 mundos que serão lançados, o primeiro será liberado agora no dia 20 de março!

No projeto Ponami somos compostos por apenas três integrantes:

 

 Pedro Schabib Péres - Programação, level design, animação dos personagens, montagem do cenário, roteiro, entre outras contribuições.

Marina Torrecilha Cardoso - Toda arte gráfica do game - criação dos personagens, cenários, objetos de cena, itens, menus, Roteiro, entre outras contribuições.

João Luiz Cardoso - Responsável por todas as trilhas sonoras das fases e também da música do trailer, entre outras contribuições.

 

Quando falamos: entre outras contribuições- é porque , apesar de termos cada um uma função, não ficamos fechados e designados apenas à elas. Nos ajudamos e nos demos suporte em cada passo realizado por cada um. Trabalhar em equipe é desafiante pois precisamos ouvir, e principalmente saber quando ouvir. Desconstruir tudo que sabemos e nos deixar vulneráveis a opinião do colega, apenas para instintivamente saber se está tudo encaminhado no lugar certo ou se podemos melhorar. 

 

E foi desse pequeno grupo ousado que fez com que a produção de Ponami ganhasse vida. 

 

 

( Primeiro concept da personagem feito pela Marina Torrecilha ) 

 

 

( Ponami em ação - concept da personagem feito pela Marina Torrecilha ) 

 

 

Mas quem é Ponami? 

 

Ponami sou eu, é você , somos todos nós. E isso é uma afirmação. Mas por que?

 

Cordilheira de Sajor

 Na Cordilheira de Sajor¹, região que Ponami nasceu, foi marcada por um passado cheio de guerras. Sabe-se de fato que não foram as batalhas que levaram seus habitantes ao triunfo histórico atual, e sim as estratégias de resistência. Foi um povo que lutou e sobreviveu à muitos conflitos. A cordilheira de Sajor é um paredão de frente para um mar. Foi disputado por dois povos que cobiçavam território e poder fortemente entre si, sendo os principais: Nagnir e Indorur. Ambas as civilizações os surpreendiam em diferentes períodos. Eram combates com interesse em atravessar o paredão e derrotar o inimigo que habitava do outro lado, mas também tinham o interesse de conquistar as alturas e governar todas as civilizações por cima das cordilheiras, fazendo com que diversas vezes as lutas quase levassem a extinção do povo de Sajor e de toda sua cultura. A esperança era de que tudo dependia da capacidade deles para resistir às invasões. Não acreditavam nem desacreditavam na possibilidade da existência de entidades superiores, nos contos mais antigos os anciões narravam sobre a existência de um líder espiritual que regia na cordilheira e ao redor dela, mas ninguém nunca sentiu ou viu tal entidade.

 Tinham conhecimento apenas das Talástreas que sempre habitaram o planeta. As Talástreas eram mencionadas várias vezes em em registros antigos do povo de Sajor e de outros povos.  

 

 

 

Talástreas

Talástrea em seu estado natural 

 

 

Talástreas corrompidas por energias instáveis/negativas

 

 

 Pouco antes do surgimento de organismos vivos, o mundo recebeu as Talástreas: criaturas formadas de energia neutralizante que mantem o equilíbrio do planeta. Habitam regiões  onde a estabilidade é constante. Atualmente só é possível encontrar essas criaturas nas floresta densas, afastadas de energias instáveis e negativas. As Talástreas devem sempre estar neutras pois elas têm a função de carregar os espíritos das florestas, dos mares, das montanhas, dos desertos para outro plano. São sensíveis à presença humana, e se sentirem ameaçadas podem tomar como forma objetos próximos à elas, como pedras, madeira e folhas, etc. Os objetos são aspirados pela luz como um imã, formando algo que transmitisse a imagem de uma face. Se defendem de forma agressiva, sendo seres para se admirar e ter cautela ao mesmo tempo. É sabido que se alguém invade seu território, as talástreas passam de seres de luz para criaturas malignas e sombrias, que incorporam e tomam para si toda a energia que o humano transmite em seu momento de ignorância e violência. 

 Os mais sábios ensinam a importância de respeitar e cultivar boas relações tanto com outros povos, como com a natureza. Infelizmente a cobiça do ser humano as vezes é maior, e na Cordilheira não foi diferente. Devido a invasão e destruição de grande parte de sua floresta, não existiam Talástreas em Sajor nem em qualquer região desmatada, apenas onde ainda existia floresta.

Em seu passado, Sajor ainda contava com um clima extremamente frio e pouquíssimo habitada por animais. Se alimentavam apenas de algumas plantas, raízes, aves que migravam para as montanhas e dos ovos que eram depositados pelas fêmeas para a incubação. Porem mesmo com as dificuldades, a Cordilheira resistia, principalmente porque seus habitantes eram familiarizados com os obstáculos que esse clima e altitude proporcionavam. E foi com um pequeno grupo de coletores e caçadores de alimentos que se iniciou um novo movimento que foi mudando o rumo de sua história. Além de tornar possível o acesso ao mantimento para todos, esses coletores se aperfeiçoaram na arquearia, e com o tempo conseguiram se unir em número cada vez maior, originando a melhor aliança combatente daquelas províncias.

 

 

 

Maior e melhor exército de arqueiros

 

 

 É graças a eles que a Cordilheira de Sajor ainda se mantém e se desenvolve até os dias de hoje. Atualmente esses heróis são lembrados e celebrados anualmente em datas e festivais que recordam seus feitos, acompanhados de música, bebida e principalmente, muita comida.

Independentemente das vitórias e das derrotas do passado, Sajor ainda se mantém  reconhecida por preservar a prática da arquearia e o aperfeiçoamento em todos os níveis de desenvolvimento que a atividade exige. São habilidosos, de pontaria perfeita e de força surpreendente, fazendo com que suas flechas atravessem qualquer objeto. Hoje suas fronteiras estão protegidas pelo melhor e maior exército de arqueiros existente.

 

 

 

Rocha primitiva de Vulcão 

A deslumbrante Rocha primitiva de Vulcão é uma pedra negra de superfície sutilmente irregular, que se levada aos raios do sol se torna violeta e é possível enxergar pequenas partículas de tonalidades azul. Atualmente, a rocha é também utilizada como instrumento de administração e obtenção dos produtos de subsistência dos habitantes da cordilheira.

 

 

Relíquias que são chave para o templo

 

No game existe uma fase bônus. Se o jogador conseguir encontrar e capturar todas as relíquias, no final do fechamento do primeiro mundo surgirá uma fase bônus com itens raros em um templo sagrado.

 

Lojas e venda de Itens